quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Ano Internacional da Química - 2011

“Química - a nossa vida, o nosso futuro”

clip_image001

No Verão de 2009, em Glasgow, na Escócia, proclamou-se 2011 como o Ano Internacional da Química, sob o tema “Química - a nossa vida, o nosso futuro”. A agenda de comemorações será organizada pela União Internacional de Química Pura e Aplicada [Iupac] e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura [Unesco]. A abertura oficial desta celebração ocorre nos dias 27 e 28 de Janeiro de 2011, em Paris, sede da UNESCO.

Cartazes de alunos dos 8ºB, C e D, elaborados no
Ateliê de Física e Química
orientados pelas professoras
Isabel Paiva, Lurdes Anacleto e Mª José Gomes

AIQ_cartaz1 AIQ_cartaz2
AIQcartaz3 AIQcartaz4
 

Apontamento publicado no "Diário de Coimbra"
(na figura, Marie Curie)

clip_image002

O ano de 2011 foi proclamado Ano Internacional da Química na Assembleia Geral das Nações Unidas ocorrida em Glasgow, Escócia, no verão passado. Sob o lema “Química – a nossa vida, o nosso futuro”, os diversos eventos que decorrerão sob a égide desta atribuição serão coordenados e organizados pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC) e pela UNESCO.

Com o objectivo de “celebrar as contribuições da química para o bem-estar da humanidade”, a simultaneidade deste ano com as efemérides dos 100 anos do modelo atómico de Ernest Rutherford e do centenário da atribuição do Prémio Nobel da Química a Marie Sklodowska Curie (primeira mulher galardoada com um Nobel) pela sua descoberta dos elementos rádio (Ra) e polónio (Po) oferece-nos imediatamente dois pontos de reflexão.

Por um lado, a ubíqua difusão da Química em tudo o que nos rodeia, desde alimentos a medicamentos, desde plásticos aos satélites artificiais que procuram existência de vida em sistemas planetários nos confins do universo, analisando os espectros de luz irradiada ou reflectida por corpos celestes e que são interpretados com base no modelo atómico. Em particular, o "século do plástico" foi-o por causa dos avanços na Química dos Polímeros.

Por outro lado, reflectir sobre a incontornável contribuição das mulheres para o desenvolvimento científico, pelo menos ao longo do último século.

O Departamento de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra vai promover um programa de eventos durante este ano (QUI365), o que, pela sua regularidade para além de ser uma iniciativa louvável, é também uma demonstração do modo como o conhecimento químico deve e tem de estar cada vez mais próximo dos cidadãos para que estes entendam melhor as transformações do mundo em que vivem, a partir dos átomos de que é feito.

António Piedade

in http://dererummundi.blogspot.com/2011/01/ano-internacional-da-quimica.html, [consultado em 27/01/2011]

 


Lágrima de preta

Encontrei uma preta
que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para a analisar.

Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterilizado.

Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.

Mandei vir os ácidos,
as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.

Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:

Nem sinais de negro,
nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.

    António Gedeão, Máquina de Fogo, 1961
    in Obra Completa, Lisboa, Relógio de Água, 2004

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Concurso de Poesia Inter-Escolas de Gaia 2011

O Concurso de Poesia Inter-Escolas de Gaia tem início hoje, dia 10 de janeiro e termina no dia 10 de março.

Pela primeira vez, este Concurso decorre em parceria com as Escolas/Agrupamentos do concelho de Vila Nova de Gaia, a Associação de Escritores de Gaia e a Biblioteca Municipal de V. N. de Gaia, conforme o Regulamento aqui/ ou /aqui apresentado.

 

Concurso de Poesia – breve Memória

 

Em 1999, a Biblioteca da Escola Secundária com 3º Ciclo de Oliveira do Douro - em parceria com as Bibliotecas das Escolas EB 2/3 de Avintes, Gervide, Olival, Vilar de Andorinho e as Secundárias/3 de Almeida Garrett e Diogo de Macedo (Olival) - iniciou a dinamização do Concurso de Poesia entre os alunos destas escolas que então integravam o Centro de Formação Gaia Nascente, promotor do intercâmbio.
Desde essa data, o projecto foi crescendo, destinando-se, na actualidade, a toda a comunidade educativa (alunos, docentes, funcionários, encarregados de educação) das respectivas escolas.
Realce-se, também, a preciosa colaboração, ao longo de todo o processo, da Biblioteca Pública Municipal de Vila Nova de Gaia, nomeadamente na participação em júris e na oferta dos prémios finais em cerimónias que têm ocorrido por vezes nas suas instalações, com o envolvimento de poetas e de professores e alunos pertencentes a Grupos de Teatro e de Arte de Bem Dizer das escolas participantes os quais dinamizam sessões de Leitura/Poesia/Teatro.
Este projecto tem contado com a colaboração de professores de Português das escolas concorrentes. Já têm igualmente colaborado nesta iniciativa os poetas Odete Boaventura, Virgínia Monteiro, Anthero Monteiro, Eduardo Roseira e Fernando Morais, da Associação dos Escritores de Gaia, bem como o seu Presidente, Dr. Miguel Miranda.
No presente ano, o Concurso decorre em parceria com todas as escolas e agrupamentos do concelho de Vila Nova de Gaia.

 

[ler +]

 

               Imortalidade

   Todo o poeta verdadeiro é imortal
   pelo que antevê
   pelo que pressente
   pelo que redescobre

   todo o poeta é imortal
   no seu amor à humanidade
   pela recusa da injustiça
   pela recusa da malvadez
   pela recusa da covardia

   pela institucionalização do amor
   pelo sonho construído
   pela raiz do pensamento
   pela liberdade de todos os seres
   todo o poeta é imortal

   pela redenção da chuva e do calor
   pela lealdade com todos
   pelo que semeou
   no coração dos homens
   pelo que realizou ontem e hoje
   e pelo que fará em todos os futuros

   todo o poeta é imortal!

 

in Fernando Morais, Ao Povo do Mundo,
                                                 Coimbra, Temas Originais, 2010

Contamos com a vossa participação!

Fernando Pessoa e heterónimos

Tendo como objectivo aprofundar conhecimentos dos alunos sobre Fernando Pessoa e os seus heterónimos, bem como contribuir para o alargamento do seu horizonte cultural, a subcoordenadora de Português, professora Eugénia Teixeira e professores de Português do 12º ano, Ana Ramos, Margarida Neto, Francisco Martins e Castro Alves, dinamizaram um Encontro entre o Professor Doutor Dionísio Vila Maior (Experiência Profissional e Conferências/Seminários) e os alunos do 12º ano. Teve lugar no dia 12 deste mês, pelas 10h10, no Auditório da ESOD.

A BE preparou uma breve Exposição (ver aqui) alusiva à temática em estudo - trabalho conjunto com as professoras Andrelina Silva, Eugénia Teixeira e com alunos do 11º ano do curso profissional de Apoio Psicossocial, orientados pelo professor Rafael Tormenta.

Agradecemos a oferta do autor à BE das monografias abaixo indicadas:
* VILA MAIOR, Dionísio, Fernando Pessoa : heteronímia e dialogismo : o contributo de Mikhail Bakhtine, Coimbra, Almedina, 1994;
* VILA MAIOR, Dionísio, Introdução ao modernismo, Coimbra, Almedina, 1996.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

BOM ANO DE 2011

Apesar das ruínas e da morte,
Onde sempre acabou cada ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias.
      
in Sophia M. B. Andresen, Obra Poética I,
                                Lisboa, Caminho, 1990

 

 

Para ser grande, sê inteiro: nada
           Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
           No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a Lua toda
           Brilha, porque alta vive.
         Odes de Ricardo Reis [heterónimo de
                                        Fernando Pessoa]
    
in http://www.astormentas.com/pessoa.htm,
                            [consultado em 2/01/2011]


                   -----------------------------------

Aos leitores deste blogue apresentamos um esclarecimento quanto ao equívoco relacionado com a autoria do texto abaixo indicado. Não pertence a Fernando Pessoa, ao contrário da informação que tem sido veiculada por email e na Internet. As nossas desculpas pelo engano.


“Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que a
                                                                                                                      [minha vida é
a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver,
apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem
                                                                                                             [para ouvir um "não".
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta...
Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo." 

in http://olhares.aeiou.pt/pedras_no_caminho_foto698058.html,
[consultado em 2/01/2011]