sexta-feira, 5 de abril de 2013

Sessões Júnior à Volta dos Livros

Inserida na comemoração da Semana da Leitura, dedicada ao Mar, decorreu mais uma Sessão Júnior à Volta dos Livros, alusiva à temática das Pescas: como são capturados e chegam até nós os alimentos do mar, proferida pelo Prof. Paulo Vaz Pires, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto. Esta palestra, a que assistiram interessadamente as turmas do 8º ano, baseou-se no livro oferecido à BE-ESOD Que comemos, de Pere Puigdomènech Rossel, tradução de Paulo Vaz Pires, editado pela Universidade do Porto.

IMG_0573

O Prof. Paulo Vaz Pires iniciou a palestra com uma referência detalhada acerca da Universidade do Porto, desde a sua edificação, evolução, alargamento das faculdades, cursos, população estudantil, às mais-valias das novas instalações. Fez igualmente o convite à participação nos cursos que a Universidade Júnior disponibiliza a todos os interessados para se informarem acerca de uma determinada área  durante uma semana. Pela reitoria da UP, o prof. Vítor Silva fez a oferta de folhetos de divulgação deste serviço da Universidade.
De seguida, o Prof. Paulo Vaz Pires passou a apresentar o tema em apreço, explicitando como é que as pescas contribuem para o pescado que se consome, quer proveniente do meio natural, o mar ou águas doces, quer da aquacultura, esta última em menor percentagem.
Seguiu-se a explanação de todos os métodos de captura do pescado, em particular os mais utilizados em Portugal, os princípios de funcionamento de cada um deles, o seu respeito pelo ambiente e pelo pescado, o circuito que normalmente seguem e a sua relação com a qualidade final do pescado obtido. Foi igualmente aludida uma perspetiva do futuro da pesca e do muito relevante papel da aquacultura nesse futuro, uma vez que Portugal, sendo o 3º maior consumidor de pescado do mundo, consome muito mais do que o que pesca.
Este facto tem a ver com o tipo de alimentação mediterrânica seguida pelos portugueses, que se sabe ser das mais saudáveis a nível mundial.
No final, como ideias principais, o Prof. Paulo Vaz Pires destacou que: a pesca remonta aos primórdios dos tempos; o pescado deve ser incluído na dieta saudável dos portugueses, conhecida como a dieta mediterrânica, pois previne doenças em idades avançadas; a pesca deve ser feita de um modo sustentado, recorrendo-se à aquacultura.

Esta palestra foi muito proveitosa, como se pode constatar por alguns comentários abaixo divulgados, recolha digital da profª Andrelina Silva.
Aqui agradecemos a disponibilidade manifestada pelos intervenientes da Universidade do Porto, bem como a colaboração das professoras acompanhantes, Isabel Paiva e Lurdes Anacleto.

6 comentários:

Inês Carvalho disse...

Eu quero seguir o curso de biologia marinha, e esta palestra contribuiu para o meu saber. Tenho uma casa de férias em S. Jacinto, distrito de Aveiro, onde uma das tradições é a pesca e, tal como o meu pai, gosto muito de pescar. Eu sabia pouco sobre técnicas de armadilhas de pesca mas agora, porque já conheço mais, posso experimentá-las com o meu pai lá na ria de Aveiro onde há várias espécies de pescado: robalo; tainha; dourada; carapau; ruivo; congro; lampreia e crustáceos.
Como já referi anteriormente, eu quero seguir biologia marinha e esta palestra contribuiu para aumentar o meu conhecimento sobre a pesca e as suas técnicas.
Para mim não houve aspetos menos interessantes.
Adorei esta palestra!
8º A

Inês Teixeira disse...

Para mim, os aspetos mais importantes e mais interessantes desta palestra foram os seguintes: perceber a forma como se pesca e com o quê; saber que há maneiras de se fazer estudos sem magoar os animais; saber que temos aqui no Porto portas abertas para aprender.
Contribuiu muito para a minha formação ficar a saber da existência de mais um curso que achei muito interessante e sobre o qual fiquei curiosa.
Aprendi novas coisas que nunca pensei terem interesse para mim.
O aspeto que me pareceu menos interessante foi a apresentação da história da Universidade do Porto. Deviam arranjar outra forma de o fazer.
8ºA

Carlos Xavier disse...

O tema abordado na apresentação a que assistimos foi a pesca. Falamos sobre as faculdades existentes no Porto, para nos ajudar a ter uma ideia do curso que poderemos seguir. Falamos ainda sobre as várias formas de pesca utilizadas no mundo inteiro.
Portugal, apesar de não aparecer nas principais estatísticas piscatórias, é o 3º maior consumidor de peixe a nível mundial sendo apenas ultrapassado pela Islândia e pelo Japão.
8ºA

Bárbara Veríssimo disse...

Eu gostei da apresentação porque foi muito interessante.
Com esta apresentação pude aprender todos os tipos de pesca e os métodos utilizados em Portugal. A parte que para mim foi mais interessante foi quando o Professor falou sobre o pescado e quais os seus contributos para a nossa saúde.
Penso que a escola devia realizar mais atividades deste género.
8ºA

João Pedrosa disse...

A palestra foi sobre a pesca e sobre as razões pelas quais todos devemos comer pescado. Os seus aspetos mais interessantes foram as explicações de como se pesca o peixe e quais as várias técnicas de o pescar. Foi também importante saber que Portugal é um dos países mais saudáveis, porque o peixe faz bem à nossa saúde.
Para mim não houve aspetos menos interessantes.
8ºA

André Pereira disse...

A palestra abordou o tema das pescas não só em Portugal mas no mundo inteiro.
Os aspetos mais interessantes foram as técnicas de pescar que eu nem imaginava que pudessem existir.
Foi um bom contributo para a minha formação porque fiquei a saber o tipo de peixe que se pesca em Portugal e o que se vai pescar lá fora e ainda que o nosso país é um dos países do mundo com melhor alimentação.
8ºA